quarta-feira, 21 de março de 2012

O PSB e as eleições municipais de 2012 em Tapes


Rafael Fernandes*

Mais um processo eleitoral se aproxima e o principal debate que protagoniza a maioria dos partidos diz respeito aos nomes de prováveis e possíveis candidatos. Projetos políticos, ideologias partidárias e propostas capazes de melhorar nossa cidade, geralmente expressos sob a forma de Planos de Governo, não são trazidos ao conhecimento dos eleitores. Para o Partido Socialista Brasileiro (PSB), as eleições e o voto são importantes. O PSB sempre estará participando dos processos eleitorais, defendendo propostas e projetos que tragam uma melhor qualidade de vida à nossa comunidade. Mas a luta política para o PSB vai muito além das disputas eleitorais. O partido deve ter um pé nas eleições e outro nos movimentos sociais. Os socialistas não buscam apenas ganhar eleições. Sua meta é mudar essa sociedade injusta para a grande maioria do povo.

Arte de Beti Timm (http://www.sumairracional.com.br).

Porém, mesmo que a luta por educação de qualidade, geração e acesso ao emprego, cultura, desenvolvimento econômico e justiça social não ocorra somente nas eleições, é neste processo que o PSB tem a oportunidade de mostrar para a população suas ideias. Nas eleições deste ano, um PSB recentemente reorganizado e replete de novos militantes, pode e deve cumprir três tarefas importantes: (1) impulsionar e influenciar a construção de um Plano de Governo amplo, arrojado, democrático e moderno, que se proponha a transformar a administração municipal em uma gestão moderna, projetando a Cidade de Tapes para o futuro, e consolidando a participação popular como um elemento fundamental de construção de políticas públicas; (2) articular a organização de uma ampla frente eleitoral de oposição ao atual Governo Municipal, se possível, com a participação do PP, do PMDB, do PT, do PTB, do PCdoB, do PR, do PRB e de outros partidos que aceitem dialogar sobre propostas para a cidade, deixando de lado a imposição de nomes de candidatos e que abandonem a prática do clientelismo político, que desqualifica a gestão pública e atrasa nosso desenvolvimento; e, (3) eleger sua bancada na Câmara de Vereadores, lançando novas e importantes lideranças no processo político local e regional.

Neste sentido, o PSB deve abrir uma rodada de reuniões com as Direções Executivas de todos os partidos citados, afim de que, num segundo momento, as organizações partidárias possam promover em conjunto um Seminário Político-Eleitoral para traçar as principais diretrizes do Plano de Governo, organizar um Conselho Político e apresentar seus indicados para a formação de uma chapa majoritária que será escolhida por todos os partidos coligados, de forma consensual, levando-se em conta a atuação política, a capacidade de gestão e de interlocução com a sociedade, a viabilidade eleitoral, a trajetória pessoal e a representatividade partidária de cada um dos pré-candidatos. Dentre os partidos coligados, será possível organizar uma ou duas chapas proporcionais que agrupe(m) as nominatas de pré-candidatos a vereador e que possibilite(m) a eleição de uma ampla e consistente maioria na Câmara Municipal. Diferenças ideológicas e disputas históricas podem e devem ser superadas pela grandeza da construção de uma ampla coalizão partidária capaz de mudar o rumo da política em nossa cidade, que se tornará viável através da influência dos Socialistas de Tapes.

* Tecnólogo ambiental, formando do Curso de Especialização em
Gestão Pública/UFRGS, militante socialista, servidor público e pequeno empresário.